Avaliação do estresse, perfil nutricional e hábitos de vida de professores de uma rede privada de ensino superior da Zona da Mata Mineira

Júlia Maria Torquato, Mayla Cardoso Fernandes Toffolo

Resumo


Introdução: A rotina agitada dos docentes é um contexto favorável ao desenvolvimento de fatores que causam estresse e, em consequência disso, as escolhas alimentares podem ser influenciadas, ocasionando excesso de peso, além de ocasionar danos à saúde do indivíduo. Objetivo: avaliar estresse e sua relação com perfil nutricional e hábitos de vida de professores de uma unidade de ensino superior da zona da mata mineira. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal realizado com docentes adultos de ambos os gêneros de uma unidade de ensino superior do município de Muriaé-MG. Os dados foram coletados através do formulário Google Docs® que contemplavam dados do perfil nutricional, hábitos alimentares e estresse (Questionário de Stress em Professores de Ensino Superior (QSPES). Resultados: A maioria da população possuía boa ingestão de legumes, verduras, frutas, leguminosas, cereais e café. Entretanto, encontrava-se com sobrepeso. O consumo de bebidas alcoólicas, ainda que não habitual, foi referido por grande parte da população. O estresse global obteve média de 57,96 ± 24,60, não se associando o perfil nutricional e a vida dos participantes, embora tenha sido percebido uma diferença entre os sexos com relação a produção científica, onde as mulheres relataram maior nível de estresse. (p = 0,02). O consumo alimentar de carne vermelha, leite e derivados foi maior quando relacionado ao tempo de docência (p<0,05). Conclusão: Conclui-se que, a maioria dos participantes possuía excesso de peso, mais da metade apresentou estresse moderado ou elevado, não havendo associação com estado nutricional e hábitos de vida.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, M. et al. Nutrição Comportamental, 1 ed. São Paulo, Manole, 2015, 576 p.

AQUINO, M. L. E. Gênero e saúde: perfil e tendências da produção científica no Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 40, p. 121-132, 2006.

BARBOSA, R. E. C.; FONSECA, G. C. Prevalência de tabagismo entre professores da educação básica no Brasil, 2016. Cadernos de saúde pública, v. 35, 2019.

BRAGA, M. M.; PATERNEZ, A. C. A. C. Avaliação do consumo alimentar de professores de uma universidade particular da cidade de São Paulo (SP). Rev. Simbio-Logias, v.4, n.6, p. 84-97 dez. 2011.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília. Ministério da Saúde, Departamento de Atenção Básica, 2014.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

COELHO, A. L.; et al. A participação das mulheres na produção acadêmica da área de relações internacionais no Brasil. Mural Internacional. v. 10, p. 17, 2019.

COSTA, F. D.; et al. Vulnerabilidade ao estresse e alimentação: um estudo no contexto do trabalho. Scientia Medica, v. 25, n. 2, p. 1-9, 2015.

DIAS, J.; et al. Prática de atividade física em docentes do ensino superior: foco na qualidade de vida. Escola Ana Nery Revista de Enfermagem, v.21, n. 4, p. 1-6, 2017.

GOMES, A. R.; et al. Stress, avaliação cognitiva e burnout: Um estudo com professores do ensino superior. Revista Sul-Americana de Psicologia, v. 1, n. 1, p. 6-26, 2013.

JACKSON, S. E.; et al. Hair Cortisol and Adiposity in a Population-Based Sample of 2,527 Men and Women Aged 54 to 87 Years. Obesity, v. 25, n. 3, p. 539-544, 2017.

LIRA, B. A.; et al. Inatividade física e fatores de risco para doenças crônicas em professores universitários. ConScientiae Saúde, v. 17, n. 4, p. 454-462, 2018.

OLIVEIRA, R. A. R.; et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em professores da Universidade Federal de Viçosa. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v. 24, n. 4, p. 603-612, 2011.

TERRA, F. S.; et al. Perfil dos docentes de cursos de graduação em enfermagem de universidades públicas e privadas. Revista Enfermagem UERJ, v. 19, n. 1, p. 26-33, 2011.

TOFFOLO, M. C. F. Perfil nutricional e bioquímico de alcoolistas frequentadores do CAPSad de Ouro Preto, Minas Gerais. 2012. 154p. Dissertação (Mestrado em Saúde e Nutrição) - Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2012.

VALLE, L. E. L. R. Estresse e distúrbios do sono no desempenho de professores: Saúde mental no trabalho. 2011. 208 p. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade de São Paulo, 2011.

WARDLAW, G. M.; SMITH, A. M. Nutrição Contemporânea. 8ª edição. Porto Alegre: AMGH editora, 2013. 768p.

WEBER, L. N. D.; et al. O estresse no trabalho do professor. Imagens da Educação, v. 5, n. 3, p. 40-52, 2015.

World Health Organization (WHO). Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation, Geneva, 3-5 Jun 1997. Geneva: World Health Organization, 1998.

XAVIER, F. A. et al. Fatores de risco cardiovascular entre docentes de uma Universidade Pública de Minas Gerais Revista Mineira de Enfermagem.; v. 14, n. 4, p. 465-472, 2010.