A importância da equipe multidisciplinar nas oficinas terapêuticas em saúde mental

Cristiane Chaves Caldas, Marconi Martins da Costa Guedes, Hellen Beatriz Ferreira de Souza, Isabella Nascimento de Oliveira, Marcela Do Amaral Felisberto, Natalia Martins de Werna Magalhães, Sarah Dias de Matos Albino

Resumo


Através do artigo pretende-se abordar a importância da equipe multidisciplinar nas oficinas terapêuticas como forma de tratamento em saúde mental. Para a realização deste estudo, a metodologia utilizada foi uma abordagem qualitativa do tipo descritiva e teve como procedimento metodológico o estudo de campo. Conclui-se então a necessidade de um tratamento em saúde mental que integre a equipe multidisciplinar às oficinas terapêuticas. Afinal, o olhar de diferentes áreas do saber permite que uma melhor solução seja encontrada para o caso e a arte faz com que o sujeito expresse sua subjetividade e se torne ativo em seu tratamento.

Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS FILHO, N. C; SOUZA, A. M. P. A percepção sobre o trabalho em equipe multiprofissional dos trabalhadores de um Centro de Atenção Psicossocial em Salvador, Bahia, Brasil. Interface. v. 21, n. 60, p. 63-76, 2017.

AMARANTE, P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. 1995. Rio de Janeiro: Fiocruz.

ASSIS, E. Arte e oficinas terapêuticas em tempos de reconstrução. In: COSTA, C. M.; FIGUEIREDO, A. C. (Orgs.). Oficinas terapêuticas em saúde mental: Sujeito, produção e cidadania (pp.95-103). Rio de Janeiro: Contracapa, 2004.

BIRMAN, J. A psiquiatria como discurso da moralidade. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em saúde mental: 1990-2004. 5ª ed. ampl. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde mental: o que é, doenças, tratamentos e direitos. Disponível em: . Acesso em: 10 jun 2019.

BRASIL. Secretária de Gestão Pública do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Portaria Normativa nº 3, de 25 de março de 2013.

CASTEL, R. A ordem psiquiátrica: a idade de ouro do alienismo. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

CEDRAZ, A.; DIMENSTEIN, M. Oficinas terapêuticas no cenário da Reforma Psiquiátrica: modalidades desinstitucionalizantes ou não? Revista Mal-Estar e Subjetividade, v. 5, n. 2, p. 300-327, 2005.

COSTA-ROSA, A. O modo psicossocial: um paradigma das práticas substitutivas ao modo asilar. In: AMARANTE, P. (Org.). Ensaios: subjetividade, saúde mental, sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2000. p.141-168.

DESVIAT, M. A reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Fiocruz; 1999.

DIAS, J. D. S. Oficinas terapêuticas como estratégia reinserção psicossocial e produção de vínculo. 2018. Disponível em: . Acesso em: 28 mai 2019.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa – tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas. v. 35, n. 3, p. 20-29, 1995.

GONSALVES, E. P. Conversas sobre iniciação à pesquisa científica. Campinas, SP: Alínea, 2001.

GUERRA, A. M. C. Oficinas em Saúde Mental: Percurso de uma História, Fundamentos de uma Prática. In: Oficinas Terapêuticas em Saúde Mental - Sujeito, Produção e Cidadania. Rio de Janeiro: Contracapa, 2004.

LEME, L. E. G. A interprofissionalidade e o contexto familiar. In: Duarte Y. A. O.; DIOGO, M. J. E. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu; 2000, p. 117-143.

LIMA, E. M. F. A.; PELBART, P. P. Arte, clínica e loucura: um território em mutação. História, Ciências, Saúde-Manguinhos. v. 14, n. 3, p. 709-735, 2007.

MATTOS, R. A. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Orgs.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: IMS/UERJ; CEPESC; ABRASCO; 2001. p. 39-64.

MELO, W. Nise da Silveira. Rio de Janeiro: Imago, 2001.

MENDONÇA, T. C. P. As oficinas na saúde mental: relato de uma experiência na internação. Psicol cienc prof. v. 25, n. 4, p. 626-635, 2005.

PINHO, M. C. G. Trabalho em equipes de saúde: limites e possibilidades de trabalho eficaz. Ciências & Cognição. v. 8, p. 68-87, 2006.

PEREIRA, R. C. A.; RIVERA, F. J. U.; ARTMANN, E. O trabalho multiprofissional na estratégia saúde da família: estudo sobre modalidades de equipes. Interface. v. 17 n. 45, 2013.

PRATA, N. I. S. S. As oficinas e o ofício de cuidar. In: COSTA, C. M.; Figueiredo, A. C. (Org.). Oficinas terapêuticas em saúde mental: sujeito, produção e cidadania. Rio de Janeiro: Contracapa, 2004, p.161-6.

RAUTER, C. Oficinas para quê? Uma proposta ético-estético-política para oficinas terapêuticas. In: AMARANTE, P. (Org.). Ensaios: Subjetividade, saúde mental, sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000, p.267-277.

ROCHA, A. Experiência da toca. In LANCETTI, A. (Org.). Saúde loucura. São Paulo: Hucitec. 1997, p.135-142.

RODRIGUES, A.; PALMA, D. L. A influência da inclusão da família no processo terapêutico de pacientes com transtornos mentais atendidos pelo Centro de atenção Psicossocial em uma cidade do meio-oeste Catarinense. Disponível < http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2015/01/Artigo-Aline-Rodrigues1.pdf>. Acesso em: out 2019.

SARACENO, B. Libertando identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. 2ª ed. Rio de Janeiro: Te Cora, 2001.

VASCONCELLOS, V. C. Trabalho em equipe na saúde mental: o desafio interdisciplinar em um CAPS. SMAD. Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. v. 6, n. 1, p. 1-16, 2010.

VARELLA, A.; CLARK L. Arte e terapia. In: LANCETTI, A. (Org.). Saúde loucura. São Paulo: Hucitec. 1997, p. 120-122.

VELLOSO, C. Equipe multiprofissional de saúde. 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 jun 2019.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 5ª edição. São Paulo: Atlas, 2004.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.