Avaliação de risco da síndrome de Burnout e sua relação com características sóciodemográficas em um grupo de professores de Educação Física da rede básica de ensino

Mayara Natalie Maccari Ramires Godoy, Marcos William Campos do Nascimento, Fernando Tadeu Serra

Resumo


A síndrome de Burnout atinge aproximadamente 30% dos profissionais brasileiros e tem maior incidência em profissionais que atuam na segurança, saúde e educação. Caracterizado pelo esgotamento e desmotivação pessoal no ambiente de trabalho, o Burnout tem sido associado negativamente com a qualidade de vida do trabalhador e apontado com um dos principais motivos para o abandono na profissão. Pensando nisso, este trabalho analisou a associação entre a prevalência da síndrome de Burnout e professores de Educação Física e buscou identificar características sociodemográficas preditoras desta síndrome neste grupo de profissionais. Participaram deste estudo 56 professores de Educação Física da rede básica de Ensino. Para identificar o Burnout e fatores associados, foi utilizado um questionário sociodemográfico, contendo 17 perguntas fechadas e duas abertas, e um inventário para identificação do Burnout em professores (Maslach Burnout Inventory – Educators Survey) contendo 22 questões. Nossos resultados mostraram que apenas um professor tinha características indicativas de Burnout. Quanto aos demais participantes, foi observada uma a distribuição semelhante entre aqueles que apresentavam riscos baixo, moderado e alto para o desenvolvimento da síndrome de Burnout. Nenhuma das características sociodemográficas estudadas apresentaram significância como predição desta síndrome entre os professores de Educação Física avaliados. Sendo assim, não houve associação entre a prevalência da Síndrome de Burnout e os professores de Educação Física da rede básica de ensino que avaliamos e as características sociodemográficas avaliadas não são preditoras neste grupo de professores. Apesar desses achados, o risco destes profissionais desenvolverem esta síndrome é preocupante e merece maior atenção.


Texto completo:

PDF

Referências


BREMM, L. T.; DORNELES, C. I. R.; KRUG, M. M. Síndrome de Burnout em professores de Educação Física. Biomotriz, v. 11, n. 2, p. 66–83, 2017. Disponível em: .

BYRNE, B. M. The Maslach Burnout Inventory: Testing for factorial validity and invariance across elementary, intermediate and secondary teachers. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 1993.

CARLOTTO, M. S.; CÂMARA, S. G. Análise fatorial do Maslach Burnout Inventory (MBI) em uma amostra de professores de instituições particulares. Psicologia em Estudo, 2004.

CARLOTTO, M. S.; CÂMARA, S. G. Preditores da Síndrome de Burnout em professores. Psicologia Escolar e Educacional, 2007.

DA SILVA, S. S. et al. Síndrome de Burnout e valores humanos em professores da rede pública estadual da cidade de João Pessoa: Um estudo correlacional. Analise Psicologica, v. 34, n. 2, 2016.

EBISUI, C. T. N. Trabalho docente do enfermeiro e a Síndrome de Burnout: desafios e perspectivas. 2008. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2008. Disponível em: .

FRANÇA, T. L. B. et al. Síndrome de Burnout: características, diagnóstico, fatores de risco e prevenção. Revista de Enfermagem UFPE On-line, v. 8, n. 10, p. 3539–46, 2014.

GHOLAMI, T. et al. The role of Burnout syndrome as a mediator for the effect of psychosocial risk factors on the intensity of musculoskeletal disorders: a structural equation modeling approach. International Journal of Occupational Safety and Ergonomics, v. 22, n. 2, p. 283–290, 2 abr. 2016. Disponível em: .

GUEDES, D.; GASPAR, E. “Burnout” em uma amostra de profissionais de Educação Física brasileiros. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 30, n. 4, p. 999–1010, dez. 2016. Disponível em: .

ISMA, I. S. M. A. 30% sofrem do tipo de estresse mais devastador. In: VIII Congresso de Stress da ISMA-BR e 10o Fórum Internacional de Qualidade de Vida no Trabalho Burnout., Porto Alegre, RS. Anais... Porto Alegre, RS: 2008.

IWANICKI, E. F.; SCHWAB, R. L. A Cross Validation Study of the Maslach Burnout Inventory. Educational and Psychological Measurement, v. 41, n. 4, p. 1167–1174, 2 dez. 1981. Disponível em: .

LEITER, M. P.; MASLACH, C. Latent Burnout profiles: A new approach to understanding the Burnout experience. Burnout Research, 2016.

LEVY, G. C. T. de M.; NUNES SOBRINHO, F. de P.; SOUZA, C. A. A. de. Síndrome de Burnout em professores da rede pública. Production, v. 19, n. 3, p. 458–465, 2009. Disponível em: .

MASLACH, C.; JACKSON, S. E. The measurement of experienced Burnout. Journal of Organizational Behavior, 1981.

MASLACH, C.; JACKSON, S. E.; SCHWAB, R. L. Maslach Burnout Inventory-Educators Survey (MBI-ES). In: MASLACH, C.; JACKSON, S. E.; LEITER, M. P. (Ed.). Maslach Burnout Inventory Manual. 3. ed. Palo Alto, CA: Consulting Psychologists Press, 1996. p. 205–208.

MASLACH, C.; LEITER, M. P. Understanding the Burnout experience: recent research and its implications for psychiatry. World Psychiatry, v. 15, n. 2, p. 103–111, jun. 2016. Disponível em: .

MORAES, E. H.; DAMASCENO, M. L. Síndrome de Burnout e nível de atividade física entre professores de Educação Física. Lecturas: Educación Física y Deportes, v. 22, n. 237, 2018. Disponível em: .

PIRES, D. A.; MONTEIRO, P. A. P.; ALENCAR, D. R. SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO NORDESTE DO PARÁ. Pensar a Prática, 2013.

POCINHO, M.; PERESTRELO, C. X. Um ensaio sobre Burnout, engagement e estratégias de coping na profissão docente. Educação e Pesquisa, 2013.

SCHAUFELI, W. B. et al. The Maslach Burnout Inventory: Manual. International Journal of Stress Management, 2016.

SILVA, G. N. da; CARLOTTO, M. S. Síndrome de BURNOUT: Um estudo com professores da rede pública. Psicologia Escolar e Educacional, v. 7, n. 2, p. 145–153, dez. 2003. Disponível em: .

SINOTT, E. C. et al. síndrome de Burnout: Um estudo com professores de educação física. Movimento, v. 20, n. 2, p. 519–539, 2014.

TOWNLEY, K. F.; THORNBURG, K. R.; CROMPTON, D. Burnout in Teachers of Young Children. Early Education & Development, v. 2, n. 3, p. 197–204, jul. 1991. Disponível em: .

TRIGO, T. R. Validade fatorial do Maslach Burnout Inventory-Human Services Survey (MBI-HSS) em uma amostra brasileira de auxiliares de enfermagem de um hospital universitário: influência da depressão. 2011. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: .

VALÉRIO, F. J.; AMORIM, C.; MOSER, A. M. A Síndrome de Burnout em Professores de Educação Física. Revista de Psicologia da IMED, v. 1, n. 1, p. 127–136, 30 jun. 2009. Disponível em: .

WHO. Burn-out an “occupational phenomenon”: International Classification of Diseases. Disponível em: . Acesso em: 9 jul. 2019.

ZIS, P.; ANAGNOSTOPOULOS, F.; SYKIOTI, P. Burnout in Medical Residents: A Study Based on the Job Demands-Resources Model. The Scientific World Journal, v. 2014, p. 1–10, 2014. Disponível em: .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.