Principais causas do absenteísmo em um hospital oncológico

Márcia Louise Monteiro Andrade, Renata Matos

Resumo


O absenteísmo-doença, compreendido como ausência no trabalho por motivo de doença, tem-se tornado problema significativo para as instituições, públicas ou privadas, tornando-se um verdadeiro desafio para seus administradores nos dias atuais. Assim, o objetivo do estudo foi compreender as principais causas do absenteísmo relacionado à doença em um Hospital Oncológico e compará-las entre os profissionais da assistência e os profissionais das demais áreas, afim de propor ações de intervenção, visando minimizar o impacto da ausência desses colaboradores. Verificou-se que os números de atestados médicos e os dias de afastamento se mantiveram altos durante todo o ano e não há diferença significante de um trimestre para outro e que o grupo de profissionais que mais se afastaram do ambiente laboral foi o administrativo sendo as doenças Ortopédicas e Posturais e as doenças Psiquiátricas as principais causas de afastamento. Conclui-se que identificar as doenças que mais afetam esses profissionais é primordial para fundamentar o desenvolvimento de propostas e ações que contemplem à saúde do trabalhador e favoreça a qualidade do trabalho em equipe. Um ponto interessante deste estudo foi a comparação dos índices de absenteísmo entre os grupos de profissionais do HCM, pois foi possível constatar que o grupo de profissionais que mais se afastou do ambiente laboral foi o administrativo, seguido dos profissionais da linha de produção. Esses resultados são de relevância para que se possa priorizar o público em que deverão ser realizados os planos de ações, com propósito de minimizar as faltas ao trabalho. Além disso, foi possível verificar que a enfermagem não é o grupo com maior número de afastamento em comparação com os demais grupos analisados.

Palavras-chave: Absenteísmo; Saúde do Trabalhador; Doenças Ocupacionais; Hospital Oncológico.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. O. Estudo comparativo dos índices e causas do absenteísmo no trabalho de diferentes grupos em uma organização hospitalar privada. 2008. Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação. 2011. 62 p. Dissertação (Especialização em Gestão de Pessoas) - Universidade de Brasília, Brasília.

AGUIAR, G. A. Absenteísmo - suas principais causas e consequências em uma empresa do ramo de saúde. Ciências Naturais, v. 18, n. 18; p. 95-113, 2009.

ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança no Ambiente Hospitalar. Disponível em: /www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/seguranca_hosp.pdf>. Acesso em 19 de dezembro de 2017.

BIANCO, R. J.; CASTRO, A. P. D.; MORAES, R. A. B.; MATTOS, E. D. D.; TRIGUEIRO, L. R. C.; SUSAN, L. C. P.; TRIGUEIRO, R. D. M.; SIMÃO, T. L.; OSTI, K A. Higiene do Trabalho.1° ed. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2014.

BRASIL, CLT - Consolidação das leis do trabalho. 1946. Disponível em: Acesso em 19 de dezembro de 2017.

BREY, C.; MIRANDA, F. M. D.; HAEFFNER, R.; CASTRO, I. R D.S. D.; SARQUIS, L. M. M.; FELLI, V. E. O absenteísmo entre os trabalhadores de saúde de um hospital público do sul do Brasil. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. v. 7, n. 1135, 2017.

CAMPOS, V. F. Qualidade Total: Padronização de Empresas. 3° ed. São Paulo: QFCO, 1992.

CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas. O novo papel dos recursos humanos nas organizações. 1º. ed. Rio de Janeiro: Campus Ltda, 1999.

CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração: uma visão moderna da administração das modernas organizações. 7°. ed. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda, 2004.

FORMENTON, A.; MININEL V. A.; LAUSA M. Absenteísmo por doença na equipe de enfermagem de uma operadora de plano de saúde. Revista de Enfermagem da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. v. 22, n. 1, p. 42-49, 2014.

FURLAN, J. A.; STANCATO, K. Fatores geradores do absenteísmo dos profissionais de enfermagem de um hospital público e um privado. Revista de Administração em Saúde, v. 15, n. 60, p. 111-120, 2013.

LARROYD, T. S.; DA CRUZ, M. R.; LAINO, M. C.; BALDASSO, L.; DE ALMEIDA, R. G.; MALAFAIA, G. C. Métodos motivacionais e sua contribuição para a redução dos índices de absenteísmo e rotatividade: caso de uma indústria de Caxias do Sul. REN-Revista Escola de Negócios, v. 1, n. 1, p. 119-143,2013.

MARTINS, R. J. Absenteísmo por motivos odontológico e médico nos serviços público e privado. Faculdade de Odontologia de Araçatuba. 2002. 119 p. Dissertação de Mestrado em Odontologia. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Araçatuba. 2002.

MINISTÉRIO DA FAZENDA, Secretaria de Previdência, Acompanhamento Mensal dos Benefícios Auxílios-Doença Previdenciários Concedidos Segundo a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE). Brasília, 13 de agosto de 2018. Disponível em: . Acesso em 22 de setembro de 2018.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, NR4 - Norma Regulamentadora 4: Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. 1978. Disponível em: Acesso em 16 de dezembro de 2017.

MORAES, M. V. Enfermagem do trabalho: programas, procedimentos e técnicas.3º. ed. São Paulo: Iátria, 2008.

MORAES, M. V. Doenças Ocupacionais. Agentes: Físico, Químico, Biológico, Ergonômico.1º. ed. São Paulo: Iátria, 2010.

OLIVEIRA, G. G. A. V.; GRANZINOLLI, L. M.; FERREIRA, M. C. V. Índice e Características do Absenteísmo dos Servidores Públicos da Universidade Federal de Viçosa. In: XXXI Encontro da ANPAD. 11., 2007, Rio de Janeiro. Poder Público deve aumentar a aquisição de produtos de micro e pequenas empresas. p. 01-16, 2007.

OIT, Organização Internacional do Trabalho. Convenção relativa aos serviços de saúde do trabalho. Recomendação n.º 171 e a Convenção n.º 161. Genebra;1985. Disponível em: . Acesso em 19 de dezembro de 2017.

PRIMO, G. M. G.; PINHEIRO, T. M. M.; SAKURAI, E. Absenteísmo por doença em trabalhadores de uma organização hospitalar pública e universitária. Revista Médica de Minas Gerais, v. 20, p. 47-58, 2010.

RIBEIRO, F. H. (Org.); Qualidade de vida e segurança no trabalho. 1°. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013.

ROBBINS, P. S. Tradução técnica Reynaldo Marcondes. Comportamento Organizacional. 11ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, p. 480, 2005.

ROCHA, L. S.; CAMBRAIA, F. B., DONALD, R. V. As ações de prevenção de doenças ocupacionais em empresas construtoras de edifícios: um estudo exploratório. In:VIII Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Rio de Janeiro. Sustentabilidade Organizacional. p. 01-19; 2010.

RODRIGUES, L. M. Trabalhadores, sindicatos e industrialização. 2º ed. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2009.

SILVA, J. V.; BARBOSA, S. R.; DUARTE, S. R. Biossegurança no Contexto da Saúde. 1°. ed. São Paulo: Iátria, 2013.

SANCINETTI, T. R.; GAIDZINSKI, R. R.; GAIDZINSKI, V. E. A.; FUGULIN, F. M. T.; BAPTISTA, P. C. P.; CIAMPONE, M. H. T.; KURCGANT, P.; SILVA, F. J. D. Absenteísmo - doença na equipe de enfermagem: relação com a taxa de ocupação. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. v. 43, p 1277- 1283. 2009

SANTI, D. B.; BARBIERI, A. R.; CHEADE, M. F. M. Absenteísmo-doença no serviço público brasileiro: uma revisão integrativa da literatura. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Campo Grande (MS), Brasil. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, v. 16, n. 3, p 71-81, 2017.

STOCKMEIER, T. E. Programa de combate ao Absenteísmo.2004. Disponível em: . Acesso em 08 de julho de 2018.

VALE, S. F.; MACIEL, R. H.; NASCIMENTO, A. P. T. D.; VASCONCELOS, J. W. O.; PIMENTEL, F. H. P. Análise de diagnósticos associados às licenças médicas de servidores públicos do Ceará. Revista de Psicologia. v. 6, n. 1, p. 68-81. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.