Relações do perfil psicomotor de noção de corpo com a Educação Física e a aprendizagem: uma revisão de literatura

Marcos Vinicius Guilherme Santos, Deyliane Aparecida de Almeida Pereira

Resumo


É na infância que se tem o ápice do desenvolvimento psicomotor, o qual se desenvolve em vários aspectos e desempenha uma atuação no processo de aprendizagem. O estudo teve como objetivo investigar na literatura científica as relações do perfil psicomotor de noção de corpo com a Educação Física e aprendizagem. A amostra foi composta por artigos científicos publicados nos últimos cinco anos, em português, e que continham os termos “noção de corpo”, “educação física” e “aprendizagem”. As produções científicas foram extraídas do Portal de Periódicos da CAPES, do SciElo e do Google Acadêmico e foi identificado cinco artigos que atenderam os objetivos desta revisão. Conclui-se que, a Educação Física possui relação com o desenvolvimento do perfil psicomotor de noção de corpo, onde esse perfil exerce influência no processo de aprendizagem, na qual as aulas de Educação Física escolar podem desenvolver atividades através de brincadeiras e jogos lúdicos que trabalhem a capacidade da consciência corporal e prevenir as defasagens psicomotoras. Ressalta-se a importância de realização de novos estudos futuros com essa temática, em razão de haver poucas publicações científicas abordando esse conteúdo.

Palavras-chave: Educação Física Escolar; Perfil Psicomotor; Noção de Corpo; Aprendizagem.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, R. C.; FARIA, V. M.; NEPOMUCENO, V. S. R. Desenvolvimento psicomotor de crianças de 8 a 9 anos de duas escolas públicas de Coronel Fabriciano MG. ÚNICA Cadernos Acadêmicos, v. 3, n. 1, p. 42-80, 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOMOTRICIDADE. O que é psicomotricidade. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edições 70. Lisboa. Portugal, 1997.

BENATO, G. Z.; OLIVIA, T. G.; BRUM, G. A influência do ambiente urbano e rural no desenvolvimento motor de crianças de 07 a 08 anos. Anais do EVINCI-UniBrasil, v. 3, n. 1, p. 113-113, 2018.

BORA, L. B.; CARDOSO, V. T.; TONI, P. M. D. Assimetria Direita-Esquerda e Desenvolvimento Neuropsicomotor Humano. Revista CES Psicologia, v. 12, n. 1, p. 54-68, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Fundamental. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Fundamental. 1998.

CAMPOS, S. D. F. D et al. O brincar para o desenvolvimento do esquema corporal, orientação espacial e temporal: análise de uma intervenção 1. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v. 25, n. 2, p. 275, 2017.

DARIDO, S. C. Diferentes concepções sobre o papel da educação física escolar. In: Caderno de Formação: Formação de Professores Bloco 02 - Didática dos conteúdos volume 6. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

DARIDO, S. C.; RANGEL, I. C. A. Educação Física na Escola: Implicações Para a Prática Pedagógica. 2. ed. Rio de Janeiro: Grupo Gen-Guanabara Koogan, 2017.

FERNANDES, A. G. L. A psicomotricidade e suas contribuições para as aulas de educação física nos anos iniciais do ensino fundamental. 2018. 17f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Psicomotricidade Clínica e Escolar) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Educação Física, Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Natal, RN, 2018.

FERREIRA, J. R. P et al. Avaliação motora em escolares com dificuldade de aprendizagem. Revista Pediatria Moderna, v. 51, n. 2, p. 67-72, 2015.

FIORANTE, F. B.; PAIVA, V. J. S.; CARVALHO, B. J. D.; MICHELETI, L. I. S. Educação física na educação infantil: um estudo das escolas municipais da cidade de Limeira/SP. Temas em Educação e Saúde, v. 14, n. 1, p. 198-210, 2018.

FONSECA, D. V. Manual de observação psicomotora: significações psiconeurológica dos fatores psicomotores. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3. ed. São Paulo: Phorte, 2005.

HAYWOOD, K. M.; GETCHELL, N. Desenvolvimento Motor ao Longo da Vida. 6ª Edição. Artmed Editora, 2016.

LE BOULCH, J. O Desenvolvimento Psicomotor: do Nascimento até os 6 anos. 7. ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

MENEZES, P. T.; COSTA, V. V. D.; FERREIRA, H. S. O perfil psicomotor da noção de corpo de pré-escolares de uma creche-escola de Fortaleza/Ce. Kinesis, v. 34, n. ed. edição especial, p. 70-82, jul. 2016.

ORBANO, T. S et al. Coordenação motora e esquema corporal de crianças de 2 a 6 anos do centro municipal de Educação Infantil de Silvânia-GO. Revista Interdisciplinar de Promoção da Saúde, v. 1, n. 4, p. 226-232, 2018.

SANTOS, M. A. B. D.; FERNANDES, M. P. R.; FERREIRA, H. S. A disciplina de Educação Física no ensino médio: reflexões sobre a prática docente. Revista on-line de Política e Gestão Educacional, v. 22, n. 3, p. 1113-1123, 2018.

SILVA, G. R. D et al. A importância do desenvolvimento psicomotor na educação escolar, junto à educação física: uma revisão literária. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 12, n. 1, p. 313-331, 2017.

TODISCO, W. M. D.; DE OLIVEIRA, P. R. D. Psicomotricidade: desenvolvimento do ritmo motor nas aulas de educação física no ensino fundamental i. Revista de Pós-Graduação da Faculdade Cidade Verde, v. 4, n. 1, p. 55-71, 2018.

VENÂNCIO, P. E. M et al. Aulas de Educação Física na melhora dos componentes psicomotores de crianças de 7 a 9 anos. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 24, n. 2, p. 55-62, 2016.

VENÂNCIO, P. E. M et al. Alterações psicomotoras por meio das aulas de Educação Física em crianças de 8 a 9 anos de uma escola municipal de AnápolisGO. Cinergis, v. 16, n. 2, p.92-96, 2015.

VERLI, M. V. D. A.; BENASSI, R.; GONÇALVES, L. C. O.; ALBINO, F. Comparação do nível da equilibração entre crianças praticantes de atividade física regular e crianças que não praticam atividades físicas no ensino fundamental. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 11, n. 66, p. 315-328, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.